06 set

Alckmin e Ciro crescem no Twitter; Bolsonaro lidera

Sem Lula, Bolsonaro (2,23 milhões de tuítes) se isola ainda mais como ator de maior influência na rede, seguido por Geraldo Alckmin (525 mil) e Ciro Gomes (392,8 mil)

Atualizado em 24 de setembro, 2018 às 11:58 am

Com a corrida eleitoral encaminhando-se para o mês final do primeiro turno, e já com Lula impedido pelo Tribunal Superior Eleitoral de disputar a Presidência, acirra-se o contraste entre os presidenciáveis. Isso se mostrou mais forte, esta semana, na discussão sobre Geraldo Alckmin e Jair Bolsonaro, cujas referências e engajamentos nas redes sociais refletiram o impacto do antagonismo que vem opondo ambos. O tucano, antes em embate com Ciro Gomes e Marina Silva por maior presença nas redes, tornou-se mais visível no Twitter, mas não converte essa visibilidade em resultados no Facebook, mostra nova edição do DAPP Report – A semana nas redes.

>> Confira a íntegra do DAPP Report – A semana nas redes

Sem Lula, Bolsonaro (2,23 milhões de tuítes) se isola ainda mais como ator de maior influência nas discussões eleitorais de ambas as redes — a FGV DAPP, acompanhando a decisão do TSE e os posicionamentos dos institutos de pesquisa, a partir deste DAPP Report passa a apresentar Fernando Haddad (346,9 mil) entre os presidenciáveis, e não mais o ex-presidente. Com isso e com o embate provocado com Bolsonaro em função do vídeo de campanha do tucano em alusão ao deputado, Alckmin (525 mil), que desde o fim de agosto vem apresentando contínuo crescimento de menções no Twitter, subiu do quinto lugar para a segunda posição desde 30 de agosto, à frente de Ciro (392,8 mil) e Marina (331 mil).

Evolução de menções no Twitter – Top 10 – 30.ago a 05.set

Fonte: Twitter | Elaboração: FGV DAPP

No debate sobre o incêndio do Museu Nacional — que, apesar do enorme volume de referências nas redes sociais desde domingo (02), ainda é periférico na discussão eleitoral —, Bolsonaro e o tucano foram os dois atores de maior participação, principalmente a partir de críticas de opositores. Logo atrás ficou João Amoêdo, que, há meses em ascensão no Facebook, vem conseguindo mobilizar em torno de si números expressivos de citações sobre os assuntos majoritários da corrida presidencial.

Mapa de interações no debate via Twitter

Entre os dias 29 de agosto e 5 de setembro, foram coletados 4.572.835 tuítes e 3.320.984 retuítes sobre os presidenciáveis. A partir de tais dados foi gerado um mapa de interações, em que é possível identificar quatro principais grupos distintos engajados no debate. Foram encontrados 2.709 perfis automatizados (0,3% do total de perfis), que foram responsáveis por 171.623 interações (5,2% do total). No entanto, tais perfis e interações foram desconsiderados para a análise, que é baseada apenas em interações orgânicas.

Mapa de interações sem robôs sobre os presidenciáveis
3.149.361 retuítes | data de análise: 28.ago a 04.set

Fonte: Twitter | Elaboração: FGV DAPP

Tabela de dados do debate total (com robôs)

Fonte: Twitter | Elaboração: FGV DAPP

Grupo Rosa
O volume de perfis do grupo, o maior do período analisado, cresceu cerca de cinco pontos percentuais em comparação com a análise anterior. Com 60% das contas, o grupo é, no entanto, o segundo em termos de interações, gerando 33,8% dos retuítes. Os perfis não demonstram apoio a nenhum político específico, mas se unem na oposição a Jair Bolsonaro e em defesa de valores humanitários — posicionam-se de forma contrária à violência, que, segundo eles, é defendida por Bolsonaro e seus eleitores, também criticados pelo grupo. De forma geral, os perfis compartilham, ainda, tuítes em tom de piada e memes, com comentários jocosos sobre figuras políticas conhecidas. Aparecem ainda menções a Marina Silva e à jornalista Renata Vasconcellos, que são defendidas pelos membros do grupo por conta de seus posicionamentos de confronto com Bolsonaro.

Grupo Azul
Com 12,8% dos perfis — cerca de 3 pontos percentuais a menos que na semana passada, o grupo permanece como o que mais provoca interações: 39,3% (eram 41,4% na semana passada). O grupo manifesta claro apoio a Jair Bolsonaro, que também é o principal influenciador não apenas do grupo, mas de todo o mapa. O tuíte que mais repercute no grupo é do candidato e faz alusão ao vídeo de propaganda de Geraldo Alckmin em que o tucano diz que “não é na bala que se resolve”. Na publicação, Bolsonaro afirma que “flores não garantem a paz” e que só seria possível acreditar em candidatos que defendem esta ideia quando eles pararem de andar de carro blindado e com seguranças armados. A temática ainda aparece em outros tuítes do candidato que foram muito retuitados pelo grupo, assim como outras publicações que criticam o PSDB.

Grupo Vermelho
O grupo agregou 13% dos perfis e foi responsável por gerar 17,2% do debate. Os perfis possuem alinhamento político à esquerda, e o grupo tem como influenciadores Guilherme Boulos e Ciro Gomes. Fernando Haddad, por sua vez, aparece como quarto principal influenciador do grupo, atrás do perfil da “Folha de São Paulo” — o jornal compartilhou uma checagem das falas da entrevista de Bolsonaro ao Jornal Nacional, o que foi um dos tuítes mais compartilhados no grupo. Dentre as principais publicações, também há outras críticas a Bolsonaro, sobre, por exemplo, seu posicionamento a respeito de direitos trabalhistas. A principal postagem do grupo compartilha vídeo no qual o humorista Marcelo Adnet imita Bolsonaro. Motivados pelo incêndio do Museu Nacional, usuários do grupo também criticam Alckmin por conta de incêndios em museus de SP durante a sua gestão. Ademais, aparecem de forma mais proeminente que antes postagens de apoio a Ciro Gomes. O quarto principal tuíte do grupo, por exemplo, compartilha trecho de entrevista do candidato do PDT ao jornalista Glenn Greenwald, na qual critica a “fraude” do PT em insistir na ideia de que Lula poderá ser candidato.

Grupo Laranja
Foi o que menos agregou perfis (6,5%) e menos gerou interações 6,8%. O principal influenciador foi João Amoêdo, seguido pelo humorista Marcelo Tas e pela presidenciável Marina Silva. O principal tuíte do grupo é do humorista, que critica publicação de Boulos culpabilizando Temer pelos cortes em recursos destinados à cultura. João Amoêdo também aparece como autor de alguns dos principais tuítes do grupo criticando financiamento de campanha com recursos públicos, pedindo que seus eleitores ajudem a espalhar a “onda laranja” para que o candidato se torne mais conhecido e defendendo uma reforma política.

Perfis Automatizados

Durante a última semana, os robôs representaram 0,3% dos perfis totais em debate e 5,2% de interações, número menor do que encontrado no DAPP Report anterior, quando 0,4% perfis e 6,3% das interações foram identificados como automatizados. O grupo azul foi o campeão em interações automatizadas nesta semana (9,6% das interações do grupo; 131.570 retuítes), apresentando um crescimento em relação à semana passada, quando 79.743 interações foram identificadas como automatizadas (8% das interações).
O grupo vermelho aparece em segundo lugar em termos de interações automatizadas, 5% das interações do grupo, somando 28.354 retuítes. Isso mostra uma queda na proporção de interações geradas por robôs dentro do grupo, uma vez que, na análise do último DAPP Report, as interações automatizadas do grupo representaram 10,7%.