03 set

Ataque de Alckmin a Bolsonaro marca início da propaganda na TV

Alckmin foi o candidato mais impactado pela propaganda eleitoral; debate sobre Lula volta a superar volume das discussões sobre Bolsonaro com a decisão do TSE

Atualizado em 3 de setembro, 2018 às 7:38 pm

Iniciada a propaganda eleitoral na TV e no rádio simultaneamente ao julgamento da candidatura de Lula pelo Tribunal Superior Eleitoral, dois presidenciáveis apresentaram maior destaque, impulsionados por cada um destes eventos: Geraldo Alckmin, cujo impacto do vídeo de explícita crítica a Jair Bolsonaro obteve grande repercussão; e o próprio ex-presidente, que, após perder espaço para Bolsonaro como protagonista central da campanha, nas últimas semanas, voltou a acolher maior volume de referências no Twitter.

Dentre os cinco candidatos de maior intenção de voto nas pesquisas recentes, Alckmin foi o mais impactado pela propaganda eleitoral como tópico de debate: de um total de 132,7 mil tuítes sobre o tucano entre as 12h de sexta (31 de agosto) e as 12h de domingo (02 de setembro), foram 45 mil publicações sobre o assunto, o equivalente a 34% da discussão geral sobre Alckmin na rede social. Tal impacto, inclusive, levou o candidato do PSDB à terceira posição entre os presidenciáveis mais citados do Twitter no período, atrás apenas de Lula (581,8 mil) e Bolsonaro (534,7 mil). Posição que, até o fim da última semana de agosto, vinha sendo disputada por Ciro Gomes e Marina Silva, com Alckmin em distante quinto lugar.

Escalado como futuro substituto de Lula na disputa, Fernando Haddad respondeu, entre sexta e domingo, por fração pequena do debate sobre o ex-presidente. Houve 70,9 mil tuítes de associação entre ambos, o correspondente a 12,2% do volume total de referências a Lula. No entanto, a partir da noite de sexta, quando Lula atingiu pico de mais de 50 mil tuítes entre as 23h e a 0h de sábado, em função do julgamento no TSE, Haddad superou Alckmin, Ciro, Marina e os demais candidatos em presença no Twitter. O debate sobre o ex-prefeito de São Paulo só foi diminuir a partir da tarde de sábado, quando Alckmin se consolidou como foco de discussões na rede, em intenso antagonismo com Bolsonaro por conta do vídeo eleitoral.

Evolução do número de publicações no Twitter entre 12h sexta (31) e 12h de domingo (2)


Fonte: Twitter | Elaboração: FGV DAPP

A intensificação do contraste entre Alckmin e Bolsonaro foi decisiva para o aumento de presença do tucano no Twitter: 45,9 mil tuítes associam ambos, grande parte em função do vídeo de campanha do PSDB com alusão ao deputado federal do PSL. Dentro do debate sobre Bolsonaro — notadamente maior que o sobre Alckmin —, é importante destacar que há 11,9 mil tuítes de “resposta” crítica, com referências a merenda escolar, alvo de denúncias de corrupção em São Paulo.

Nos demais candidatos analisados, foi bem mais baixa a repercussão do início da propaganda eleitoral. No debate sobre Ciro, de 92,8 mil tuítes, somente 1,9 mil citam a propaganda (2%); sobre Marina, de 72,2 mil publicações, apenas 1,2 mil (1,7%). No caso de Lula, o começo da veiculação de peças publicitárias na TV e no rádio coincidiu com o imbróglio envolvendo o julgamento do TSE, o que contribuiu para aumentar o impacto do debate sobre a presença do ex-presidente no horário eleitoral: 48,1 mil menções destacam a questão, o que corresponde a 8,2% do volume total de postagens sobre Lula no período.

Facebook

No Facebook, em paralelo ao impacto da propaganda na TV e no rádio e ao julgamento sobre Lula no TSE, João Amoedo foi o candidato com maior engajamento, somando mais de um milhão de interações entre sexta (31) e domingo (02), com média de 35 mil interações por publicação. O desempenho da página de Amoêdo ficou acima do de Lula, com 828 mil interações (21 mil/postagem), e de Bolsonaro, com 674 mil interações (42 mil/postagem), o dobro da média obtida por Lula, porque o deputado federal do PSL fez menos publicações na rede social.

O pico de engajamento com os presidenciáveis no Facebook ocorreu na sexta (31), com a repercussão de entrevista de 1 minuto de Amoedo ao “Jornal Nacional”, quando a página oficial do candidato atingiu 566.228 interações nas 10 publicações do dia (56 mil interações por post), também superando Lula (406.111) e Bolsonaro (373.700). O post de melhor performance (181 mil interações) diz que “1 minuto vale mais de 27”, em referência à participação dos candidatos nas sabatinas promovidas pelo “JN” na semana passada com os candidatos mais bem posicionados nas pesquisas.

Engajamento x Postagens no Facebook entre sexta (31) e domingo (2)

Fonte: Facebook | Elaboração: FGV DAPP

No sábado (01), a página de Lula apresentou aumento no engajamento em comparação às dos demais presidenciáveis, por conta de menções sobre a sua candidatura e sobre o seu vice, Fernando Haddad. A página teve 291 mil interações, seguida pela de Amoedo (145 mil) e pela de Bolsonaro (144 mil). Um destaque foi o alto volume de comentários aos posts da página de Lula, que chegou a 68 mil, número cerca de dez vezes maior que aos comentários nas postagens de Bolsonaro na mesma data (6,6 mil). Na postagem sobre a coletiva de imprensa de Haddad na cidade-natal de Lula, Garanhuns (PE), o número de comentários chegou a 13 mil — e o de reações a 16 mil.

No domingo (2), a página de Amoedo voltou a superar os concorrentes, atingindo 290 mil interações em postagens sobre: disputa de votos; o incêndio no Museu Nacional; e a defesa da melhoria de qualidade da educação básica. O post mais popular do domingo, contudo, foi de Bolsonaro ao comemorar 2 milhões de seguidores no Instagram, o que totalizou cerca de 60 mil interações.