30 ago

Investimentos em educação e proposta sobre SPC destacam-se no debate econômico

debate sobre economia foi amplamente pautado nesta semana pelas entrevistas dos candidatos Ciro, Bolsonaro e Alckmin ao 'Jornal Nacional'

Atualizado em 30 de agosto, 2018 às 5:16 pm

O debate sobre economia foi amplamente pautado nesta semana pelas entrevistas dos candidatos Ciro, Bolsonaro e Alckmin ao “Jornal Nacional”, mostra nova edição do DAPP Report – A semana nas redes. O tema do crédito foi o destaque nas discussões sobre propostas econômicas dos candidatos, principalmente por conta da proposta de Ciro Gomes de limpar o nome das pessoas do SPC.

>> Confira a íntegra do DAPP Report – A semana nas redes

>> Leia também: Bolsonaro lidera menções no Twitter com maior grupo do debate crítico a ele; Lula tem queda de 44%

Bolsonaro continua sendo o candidato mais mencionado no debate econômico, sendo que o assunto da semana mais associado a ele foi o investimento em educação. As discussões foram provocadas por um tuíte do próprio presidenciável em que rebate as críticas sobre o alto custo dos colégios militares dizendo que é necessário, de fato, que haja maior volume de recursos empregado na educação. O pico de menções da semana, ocorrido um dia após a sua entrevista na TV Globo (29), foi 27% menor que o pico da semana passada (18), após o debate na Rede TV!. A repercussão da entrevista de Bolsonaro esteve fortemente concentrada na questão da desigualdade salarial por gênero, fomentando críticas ao posicionamento do candidato de que o Estado não deve intervir nessa questão, mas também houve postagens que reforçaram o comentário crítico do candidato sobre os recursos públicos direcionados à Rede Globo.

Já as menções a Lula tiveram uma queda de 26% em relação à semana passada. O candidato aparece principalmente de forma antagônica a Bolsonaro, por exemplo, em termos das exigências que se faz sobre o conhecimento de economia dos candidatos e na questão da arrecadação das campanhas, que tem sido menos favorável ao petista até o momento. A falsa informação de que o ex-presidente seria analfabeto continua circulando nas redes sociais, sendo utilizada por apoiadores de Bolsonaro para relativizar a necessidade de o deputado saber de economia. Além disso, a suposta associação entre o bom desempenho de Lula nas pesquisas e a alta do dólar tem sido reiteradamente colocada no debate.

Evolução de menções no Twitter – Top 10 no debate econômico
23.ago a 29.ago

Fonte: Twitter | Elaboração: FGV DAPP

Ciro Gomes teve sua associação ao debate econômico concentrada no programa Nome Limpo, sua proposta para retirar pessoas do cadastro do SPC. Enquanto no final da semana passada houve forte repercussão da crítica feita por João Amoêdo (NOVO) a sua proposta, nesta semana o debate foi alavancado pela entrevista ao “Jornal Nacional”. As discussões foram positivas, em especial pelo argumento de que ações relacionadas ao perdão de dívidas para empresas (como o Refis), vistas como “elitistas” pelos usuários, não geraram desconforto, enquanto que uma proposta “popular” como a de Ciro tem gerado. Sua proposta de Reforma da Previdência baseada no regime de capitalização também teve repercussão na semana.

João Amoêdo foi o único presidenciável que teve aumento de menções no debate econômico em relação à semana passada. Além da crítica à proposta de Ciro para retirar pessoas do SPC, repercutiram declarações suas sobre a necessidade de equilíbrio nas contas públicas e o uso de tecnologia Blockchain, além do seu posicionamento favorável à privatização de bancos públicos. Mais recentemente, no entanto, o candidato foi alvo de críticas por uma suposta relação entre sua participação no conselho do Itaú-Unibanco e venda de ativos ao megainvestidor George Soros. O conteúdo revela, nesse sentido, uma crítica “à direita” do candidato, que é visto por muitos como alternativa a Jair Bolsonaro.

Alckmin não teve uma elevação relevante em seu volume de menções diante da entrevista no “Jornal Nacional”. As discussões estiveram concentradas em críticas a uma proposta do candidato de empréstimos a juro zero pelo BNDES, vista como reiteração de práticas do governo Dilma. Além disso, o ex-governador foi criticado por copiar propostas concebidas pelo candidato Ciro Gomes, como a proposta do imposto único sobre valor agregado (IVA).