10 out

Polarização e minorias dominam debate sobre eleições do Congresso

Debate gera 643,4 mil tuítes desde domingo, 49% sobre a escolha de deputados e 20%, senadores; Eleição de congressistas do PSL é o principal tema (154,1 mil tuítes); a bancada do PT mobilizou 135,1 mil menções; A eleição de mulheres foi 2º tema mais recorrente (152,8 mil tuítes)

Atualizado em 11 de outubro, 2018 às 5:55 pm

O debate sobre as eleições para o Congresso Nacional mobilizou 643,4 mil menções no Twitter, entre as 19h de domingo (07) — quando começou a ser divulgada a apuração da eleição nacional — e as 15h desta terça-feira (09). Dentre as publicações, 318,6 mil (49% do total) referem-se especificamente à escolha de deputados e deputadas federais e 132,5 mil (20,5%), à eleição para o Senado.

A polarização mobilizada pela disputa à Presidência, consolidada com a definição de um segundo turno entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), reflete-se na análise de temas associados aos parlamentares. A bancada eleita pelo partido do ex-capitão foi a mais citada, com 154,1 mil tuítes. Para os usuários da rede, o fato de o PSL se tornar um ator relevante no Legislativo mostraria a crise do protagonismo dos partidos de centro-direita mais antigos, como MDB, PSDB e Democratas.

Em referência às vitórias do PSL, uma das publicações mais retuitadas do período, do deputado federal Eduardo Bolsonaro, trazia a afirmação de que os parlamentares do partido iriam seguir as orientações de Jair Bolsonaro, caso ele se torne presidente.  A conquista da segunda maior bancada na Câmara também é vista com surpresa e temor por outros perfis. Críticas ao PT e à esquerda, em geral, também tiveram destaque, com alguns usuários argumentando que o partido de Haddad não defenderia, de fato, a democracia.

A bancada petista mobilizou 135,1 mil menções, na rede, ocupando o terceiro lugar entre os temas mais citados. Além das já referidas críticas, aparecem também entre os tuítes de maior repercussão mensagens de apoio ao partido, que destacam a conquista da maior bancada na Câmara e relativizam, a partir desse dado, a força do “antipetismo”. Por outro lado, a derrota da ex-presidente Dilma Rousseff na eleição para o Senado foi comemorada por usuários com alto volume de retuítes.   

Outro tema relevante na rede foi a eleição de mulheres (segundo tema mais recorrente, com 152,8 mil tuítes) e de outras minorias. Algumas das postagens mais repercutidas celebram a eleição de Talíria Petrone (PSOL-RJ) para a Câmara e de outras mulheres negras, principalmente as que integraram o mandato da ex-vereadora assassinada Marielle Franco.

Destacam-se, ainda, tuítes que apontam a eleição da primeira deputada federal transgênero, Erica Malunguinho (PSOL-SP), e da primeira deputada federal indígena, Joênia Wapichana (Rede-RR), como conquistas desta campanha. A representação LGBT no Congresso motivou 37,2 mil tuítes, ficando na quarta posição entre os temas monitorados. Já a questão indígena, décima no ranking de temas, alcançou 14,7 mil tuítes, com destaque para posts de apoio, que falam sobre a “representatividade” como uma possibilidade de “esperança”. Outros perfis, no entanto, afirmam que a esquerda estaria sendo hipócrita por não comemorar também a vitória de parlamentares da direita, como Janaína Paschoal e Kim Kataguiri.